Arquivo de Junho, 2014

Linux ou BSD? Quais as diferenças?

O artigo desta vez mostra-nos algumas diferenças entre estes 2 sistemas operativos, embora a base seja a mesma (ou praticamente a mesma) existem algumas diferenças que podem ajudar o leitor a decidir qual o que pretende instalar. Não pretendo dizer que um é melhor que o outro de modo a influenciar na sua escolha, apenas pretendo mostrar algumas diferenças que acho relevantes.

 

  • Linux usa o GNU General Public Licence (GPL) que permite ao utilizador modificar o seu kernel e distribuir o mesmo, no entanto o utilizador tem que disponibilizar ocódigo fonte. O BSD usa outro tipo de licença, que refere que se o utilizador modificar o kernel e o distribuir, o utilizador não tem que disponibilizar o código todo, ou seja, o código só é disponibilizado se assim o pretender.
  • Enquanto que o código do BSD não é controlado por uma pessoa (ou entidade), mas sim por uma equipa que gere o projecto. Já no Linux é maioritariamente mantido e controlado pelo seu criador, Linus Torvalds.
  • Ambos os sistemas são baseados em UNIX, mas não seguem a sua linha. O Linux foi escrito por Linus Torvalds, o BSD (Ou “Berkeley Software Distribution“) foi inicialmente criado devido a muitas modificações, desenvolvidas na Universidade da Califórnia, Berkeley (daí o seu nome). Se quisermos olhar mais de perto, podemos observar que o BSD é muito semelhante ao UNIX pois segue estritamente as diretivas do UNIX “tradicional”, enquanto o Linux é baseado numa das diretivas do UNIX, o Minix.
  • Tecnicamente, o Linux é o seu kernel. Uma distribuição de Linux não é nada mais do que o kernel mais as aplicações. Se pretende instalar o Linux no seu computador, escolha uma das muitas distribuições existentes (há para todos os gostos e fins). Por outro lado, se pretende instalar o BSD, você instala o kernel e um sistema operativo. Portanto, se instalar um FreeBSD, instala não só o FreeBSD como um sistema operativo completo.
  • Desde que o BSD foi desenvolvido usnado o sistema Ports os utilizadores instalam o mesmo conteúdo quer do source quer dos binários (package).
  • O BSD normalmente não usa o “sistema” chamado de “Bleeding Edge”. Por outro lado, o Linux tem muitas distribuições usando tal sistema. Se escolher um sistema “bleeding edge” terá, como se costuma dizer, uma atualização a cada final de dia.
  • Se pretende um sistema operativo a correr numa máquina acabada de montar, a aposta recaí sobre o Linux, uma vez que este suporta o novo hardware muito mais cedo que o BSD. Atenção que não quer dizer que um seja melhor que o outro, apenas o Linux é o “primeiro” a suportar o hardware.

 

Com estes pontos espero ter ajudado na escolha do seu novo sistema operativo. Mais uma vez repito o que referi mais acima, não pretendo dizer que A é melhor que B (ou vice-versa), apenas quero mostrar algumas diferenças.

Anúncios

5 melhores distros para o Raspeberry Pi

RaspberryPi_Logo

 

Todos nós conhecemos o pequeno micro-computador, o Raspberry Pi, cujo o tamanho é igual ao de um cartão de crédito e tem sido usado para os mais variados projetos. No entanto este pequeno “GRANDE” computador não funciona sem um sistema operativo. Abaixo deixo uma lista dos 5 melhores sistemas operativos para esta máquina (devo salientar que a lista não tem qualquer ordenação):

> Raspbian: É baseado em Debian e está optimizado para a arquitetura do Pi. Contem um conjunto básico de programas e ferramentas, incluindo mais de 35.000 packages já pré-compiladas. A sua instalação é muito fácil.

> RiscOS: Este sistema operativo foi criado em Cambridge (Inglaterra) pela Acorn, sendo o seu lançamento em 1987. Atualmente é propriedade da Castle Technologt Ltd.

> Plan 9: Plan 9 é o kernel do seu sistema operativo acompanhado de vário software. O software é praticamente novo (escrito para o Paln 9) ou vindo de outros sistemas operativos ou até mesmo do Unix. O gestor de janelas, compiladores, gestor de ficheiros e serviços de rede foram re-escritos para o Plan 9. As packages clássicas do Unix também foram atualizadas.

> Android: Está presente em mais de 80% dos smartphones, tablets e é uma opção a ter em conta para o nosso Pi. Como é Open-Source, existe muita variedade de funções (chamemos assim) que permite ao Pi ter variadíssimos destinos, sendo que pode dar também um controlo mais personalizado.

> Arch: Arch Linux ARM é um sistema operativo “próprio” para a arquitetura ARM. O kernel (e restante software) é suportado em ARMv5, ARMv6 e ARMv7. Esta variante do Arch continua com a filosofia do Arch, ou seja, dispõe ao utilizador o controlo total (e responsabilidade) sobre o equipamento. A sua instalação já requer algum cuidado e atenção.